Arquivo da tag: pacientes renais crônicos

ACIDOSE METABÓLICA É DOENÇA?

A acidose metabólica não é propriamente uma doença mas a acidez excessiva do sangue e dos fluidos corporais. E isto é indício de distúrbios que se não cuidados a tempo, podem vir a causar não apenas uma, mas séries de doenças orgânicas como: diabetes melittus, insuficiência renal, doença diarréica entre outras. Essa acidez pode reduzir o pH do sangue, tornando a respiração mais profunda e rápida (mecanismo pulmonar de tentativa em aumentar a oxigenação no sangue, tentando auxiliar no problema). Uma vez que o corpo concentra esforços em liberar o excesso de ácido no sangue. Além disso, os rins também ficam sob estresse sobrecarregando suas funções já que precisam excretar uma quantidade muito maior de ácido pela urina.

CAUSAS

Diferentes intoxicações e enfermidades podem provocar acidose no organismo. Além das já citadas, também a ingestão de álcool, de paraldeído (usado como sedativo, hipnótico e anestésico), intoxicação por salicilatos (excesso de aspirina) podem também provocar acidose, e elevação de certas substâncias no sangue, como albumina, ácido láctico, cetoácidos, fosfatos,
sulfatos, e uréia. Conforme o problema, poderá ocorrer aumento de um ou mais desses compostos no sangue. Diarréias, fístulas intestinais e pancreáticas, ileostomia, ingestão de ácidos e de medicamentos à base de acetazolamida e sulfamilon podem ocasionar acidose por perda de bicarbonato (HCO3). Os distúrbios respiratórios também podem desencadear acidose, pela má eliminação de gás carbônico.

tdo-que-precisa-saber-dieta-detoxSINTOMAS

Por ser pouco expressivo, na maioria das vezes não apresenta sintomatologia, o indivíduo afetado, acaba complicando ainda mais sua saúde com uma dieta ácida: embutidos, refrigerantes, açucares e práticas que adoecem como: uso de álcool, fumo, drogas, químicas e o sedentarismo. Por não apresentar sintomas inicial, o candidato à doenças tem a falsa crença de possuir uma boa saúde. Os maiores danos costumam apresentar-se a longo prazo.

“QUE O TEU ALIMENTO SEJA O TEU REMÉDIO, E TEU REMÉDIO O TEU ALIMENTO” (Hipócrates, pai da Medicina).

Os alimentos podem ser, no organismo, acidifialimentoscantes ou alcalinizantes, conforme sua reação química. É preciso um balanceamento
para o “equilíbrio ácido-básico” do organismo, precisamos de um cardápio saudável. Uma boa saúde depende do cuidado nas escolhas dos alimentos, de modo que os alcalinizantes predominem em quantidade sobre os acidulantes.

Nem sempre um alimento que em sua forma natural é acido, irá aumentar a acidez metabólica. Muitos alimentos incluindo frutas ácidas produzem no organismo ao serem bem mastigados, digeridos, absorvidos e metabolizados, uma reação básica, essas frutas alcalinizantes são pobres em gorduras e proteínas, ricas em vitaminas e sais minerais e açucares naturais, contribuem para a excreção do ácido e equilíbrio do sangue. E devem estar presentes em nosso cardápio diário.

A saúde começa pela boca, e por ela também podem vir as doenças, é preciso conhecimento e boas escolhas. Pois estamos vivendo num planeta contaminado, bebendo água contaminada, comendo comida contaminada e respirando um ar contaminado, a fábrica de doenças está cada vez mais forte e presente em tudo á nossa volta. È preciso muito empenho para mudar isso de dentro pra fora.

Por Ricardo Budim

 Iriologista na Olhoterapia.

Anúncios

CHLORELLA CONTRA INDICAÇÕES

  • CHLORELLA EFEITOS COLATERAIS:

A alga Chlorella não contem química ou drogas em si que pudessem apresentar algum efeitos colateral. Porém o organismo humano sim, e este ao longo dos anos vai acumulando substâncias tóxicas, ácidos, fermentações, putrefação, amônia, metais pesados, (mercúrio, cádmio e outros), metais tóxicos (alumínio), uma infinidade de substâncias, muitas vezes alojadas em células gordurosas. A Chlorella é um alimento extremamente rico em clorofila, possue uma potente função desintoxicante, desalojando todo esse material tóxico, e este sim, pode ao longo do seu percurso na corrente sanguínea até a excreção, criar alguma reação, este processo é muito conhecida na Medicina Tradicional Chinesa  e denominado como “Crise de Cura”.

Para extrair todos os benefícios da Chlorella e não sofrer efeitos desta crise, é muito simples. deve-se respeitar às dosagens indicadas por seu Iridologista, ele irá analisar pelas íris dos teus olhos esses depósitos de toxinas e orientar qual a sua dosagem inicial segura. O processo gradual lento sempre será a melhor opção para a ingestão da Chlorella, caso não tenha um Terapeuta Naturopatia em sua cidade. Tabletes de 250mg iniciais antes de cada refeição ao invés de 1000mg que é a dosagem recomendada, vai adaptando seu organismo aos poucos e liberando seguramente as toxinas sem despertar qualquer sensação de incômodo. Sempre com a hidratação corporal adequada. A alga necessita de muita água para melhor reidratação e absorção. A cada semana aumente 1 tablete de 250mg a cada refeição até chegar na dosagem terapêutica para sua saúde 1g 3x ao dia.

  • CHLORELLA CONTRA INDICAÇÕES:

Poe seu efeito detox,  como explicado acima, a dosagem terapeutica  da chlorella não deve ser aplicada à pacientes renais crônicos e  paciêntes que fazem uso de hemodiálise. A liberação de toxinas pode sobrecarregar as funções renais deataa pessoas, pois já estão comprometidas. Já o uso de uma dosagem mínima de clorofila, como em saladas é benéfica. Devendo respeitar a qualidade de 125mg (meio tablete) a 250mg (1 tablete) no almoço e jantar.

  1. Pessoas com trombose que fazem uso do medicamento Marevam, não devem usar nenhuma dosagem de Chlorella. pois este tipo de medicamento não deve ser administrado com clorofila. E a Chlorella é a maior fonte de clorofila do planeta.


 Veja também sobre a Chlorella:

Por Ricardo Budim  – Iridologista na Olhoterapia.